Os três F’s de Silvana: família, força e fé

Silvana Biasoli superou o câncer de mama com o apoio de sua família e uma vontade incessável de viver

- Publicidade -
 

Nadia Michaltchuk
nadia@diariodoiguacu.com.br

Com os olhos cheios d’água e um singelo sorriso no rosto, Silvana Biasoli, de 52 anos, lembra da época em que enfrentou o câncer de mama. A luta começou há nove anos, quando, ao lado da mãe, realizou um exame de rotina e descobriu a doença. Com a ajuda da família, ela superou todos os obstáculos que estavam por vir.

Das memórias de Silvana, uma das mais especiais é a do dia em que chegou em casa após a confirmação do câncer. “Toda a minha família estava me esperando com uma palavra de conforto para oferecer”, conta.

Algumas horas antes de encontrar o aconchego dos familiares, Silvana recebia o diagnóstico ao lado da irmã. “Antes de chegar no consultório, eu já sabia o resultado, porque tinha aberto e lido. Mas parece que a ficha só caiu quando cheguei lá e ouvi isso do médico. Eu fiquei tão nervosa que no caminho para casa tive que parar o carro para vomitar”, lembra.

Força

No mesmo período, Silvana descobriu dois nódulos: um no seio esquerdo e outro no seio direito. Em pouco tempo, ela realizou a retirada da mama e iniciou as sessões de quimioterapia. Foram cerca de quatro meses de luta.

Um dos momentos mais difíceis do tratamento foi quando os primeiros fios de cabelo começaram a cair. “Para mim, foi pior do que fazer a retirada da mama, porque a mama não era algo aparente. Já o cabelo todo mundo enxergava”, relata.

Naquela época, Silvana descobriu que era muito mais forte do que imaginava. Três meses após o tratamento do câncer de mama, ela descobriu aneurisma na cabeça. Até o tumor estabilizar, ela precisou passar por diversas cirurgias. Durante os seis anos seguintes, Silvana enfrentou um novo câncer de pulmão, uma cirurgia bariátrica, endometriose e a suspeita de um câncer no útero. Foi aí que fez a retirada do útero e dos ovários.

Após passar por tantos momentos de superação, Silvana aprendeu a confiar em Deus e a valorizar a sua família e amigos. “O que fez a diferença na minha vida é o que eu chamo de três F’s: família, força e fé”, destaca.

Hoje, Silvana se tornou uma mulher muito mais grata à vida. “Passar por tudo isso me transformou em uma pessoa muito melhor. Foram momentos de muito aprendizado e hoje eu busco ajudar outras pessoas que também estão passando pelo mesmo que eu passei”, finaliza.

 


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Diário do Iguaçu encerra campanha do Outubro Rosa com evento e homenagens
As lições que o câncer trouxe para Marina
Reflexão, autoconhecimento e amor próprio
Otimismo ajuda Erci a superar o câncer de mama
Mãe e filha superam o câncer de mama juntas
Os três F’s de Silvana: família, força e fé
Mutirão de cirurgias de reconstrução mamária é lançado em SC
Um novo começo para Greicy
Um motivo para ter fé
Unimed Chapecó realiza workshop de prevenção ao câncer de mama