Paris/Brest/Paris: os 1,2 mil km de pedaladas do atleta Marcionei Mendes na França

Ciclista de Xanxerê participou da prova mais antiga da modalidade no mundo

- Publicidade -
 

Uma viagem de Chapecó a Florianópolis, pela rodovia BR-282, dá um total de 1,1 mil quilômetros, ida e volta. Uma distância considerável que consome, somando os dois trechos, pelo menos 15 horas dentro de um carro. Uma quilometragem ainda maior foi percorrida de bicicleta por um atleta do Oeste catarinense.

Marcionei Mendes, de Xanxerê, resolveu ir à França participar da prova ciclística mais antiga e uma das mais famosas do mundo: o Audax Paris/Brest/Paris. Foram 1.233 quilômetros percorridos de Paris a Brest, no litoral, e mais o retorno à capital francesa, em 88 horas e 36 minutos, abaixo do prazo máximo de 90 horas, contando o tempo das paradas, entre os dias 22 e 27 de agosto.

Poder pedalar o Paris/Brest/Paris é um sonho de muitos praticantes do ciclismo. A edição de 2019 atraiu 6,7 mil participantes, de 68 países. O Brasil foi representado por 126 atletas, destes, 30 não completaram o percurso, que teve a questão climática como uma dificuldade a mais. A variação de temperatura registrada foi de 3º C a 38º C durante o pedal, realizado no verão europeu.

O xanxerense se preparou fisicamente para superar o desafio e contou ainda com o carinho dos franceses para ir até o fim. “Eles nos acompanham à beira das estradas, motivando, uma valorização fora do comum na questão do ciclismo. Famílias levam mesas com comida, água, café para nos servir durante o dia e à noite. Pessoas durante a madrugada esperando para nos incentivar, mesmo com o frio. São apaixonados pelo ciclismo”, disse.

Respeito e carinho

“Parecia que estávamos pagando quatro vezes mais do que valia (o apoio das famílias), mas na verdade faziam de graça e com alegria e eficiência, para que não perdêssemos tempo”, acrescentou Marcionei, que continua: “Entrei em uma mercearia para comprar um suco. Quando cheguei ao caixa, as quatro pessoas que estavam na frente me deixaram passar, dizendo que eu tinha preferência, por estar participando de uma prova”.

O respeito dos motoristas com os ciclistas surpreendeu Marcionei. “O interessante é que todo o percurso foi em cima da pista, não no acostamento, porque lá você anda nas vicinais, como se fossem as nossas SCs, junto aos carros e caminhões, mas sem qualquer problema. Nem buzinavam. O máximo que faziam era abaixar o vidro para nos incentivar”, ressaltou Marcionei, 47 anos, que trabalha como promotor de Justiça.

Próximo passo

O Audax foi criado por um clube parisiense de ciclismo de mesmo nome. A primeira prova aconteceu em 1891. O próximo passo de Marcionei dentro do Audax é alcançar a marca de 5 mil km acumulados e, depois, os 10 mil km. Ele já trabalha com esta ideia.

SAIBA MAIS

Para participar do Paris/Brest/Paris, realizado a cada quatro anos, não basta se inscrever. O Audax é uma prova que credencia o ciclista conforme a quilometragem percorrida por ele. A distância mínima é de 100 km. Vencido este primeiro desafio, o participante estará graduado a encarar os 200 km. Até chegar aos1 mil km ou aos 1,2 mil km, o atleta precisa superar também os 300, 400 e 600 km.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Técnico catarinense cria projeto de apoio aos profissionais do futebol durante a pandemia
Melhor jogador de futsal do mundo é chapecoense: Parabéns, Ferrão!
Olimpíada e Paralimpíada do Japão já têm datas marcadas para o próximo ano
Presidente da Fesporte faz apelo para as prefeituras continuarem apoiando os atletas
Destaque do atletismo, Darlan Romani, de Concórdia, aprova adiamento da Olimpíada
Jogos olímpicos e paralímpicos de Tóquio são adiados
Dirigentes de Inter e Grêmio estão com o novo coronavírus
Atletas da ginástica rítmica de Chapecó recebem treinos por WhatsApp para manter ritmo
Clubes do futebol catarinense oferecem estrutura ao governo no combate ao coronavírus
Atletas do Oeste estão na França e na Espanha, países entre os mais afetados pela Covid-19