Pesquisa mostra endividamento de moradores no início do ano em Chapecó

Famílias estão com endividamento principalmente com carnês

- Publicidade -
 

Uma pesquisa mostra que pelo menos metade das famílias chapecoenses, ouvidas em pesquisa da Fecomércio/SC do Sicom, iniciou o ano endividada. A pesquisa intitulada Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (Peic) mostra, que o total de famílias endividadas em Chapecó é de 50,1%, enquanto no Estado o índice é de 53,8%.

Quanto às dívidas ou contas em atraso, 18,7% das famílias chapecoenses indicaram esse compromisso. Aquelas que não terão condições de pagar são 12,8%, o menor índice entre as quatro cidades pesquisadas – Blumenau, Chapecó, Florianópolis e Joinville.

::. Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região

As famílias que se consideram muito endividadas em Chapecó são 5,2%, enquanto 28,5% estão mais ou menos endividadas, 16,5% pouco endividadas e 49,9% não possuem esse comprometimento.

O principal tipo de dívida em Chapecó é com os carnês (58%), seguindo-se o cartão de crédito (53,4%), o crédito consignado (27,3%), o crédito pessoal (22,6%), o financiamento de carro (17,2%) e o financiamento residencial (14,3%).

Quanto às maiores parcelas de renda comprometida com dívidas, 56% indicaram ser de 10% a 50%, 32,6% não sabem o quanto da renda está comprometida com dívidas, 6,4% das famílias indicaram menos de 10% e 4,9% especificaram ter mais de 50% de comprometimento. Em termos de prazo, o maior índice, de 49,9%, é o comprometimento para mais de um ano.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Saque FGTS 100% digital é lançado pela Caixa
SC fecha ano de 2019 com menor taxa de desemprego do país
Faturamento com exportações de carne suína aumenta 78,9% em janeiro
259 vagas de emprego estão disponíveis em Chapecó
Microempreendedorismo:Artesanato que mudou a vida de Serenite
Pesquisa mostra endividamento de moradores no início do ano em Chapecó
Como economizar combustível ao dirigir
190 vagas disponíveis no Balcão de Empregos nesta semana em Chapecó
Pequenos negócios pretendem contratar e realizar investimentos em 2020
Empregadores e trabalhadores fecham novos valores para o piso regional