Pílula que previne o HIV já é realidade em Santa Catarina

Em Chapecó a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) ainda não tem previsão de chegar no Sistema Único de Saúde (SUS)

- Publicidade -
 

Apesar de hoje o preconceito e os tabus em relação às pessoas que vivem com HIV já terem diminuído bastante, muitas pessoas ainda associam o contágio com a libertinagem sexual. Porém, basta apenas uma relação desprotegida para contrair o vírus. 

Para evitar o contágio com o HIV, hoje existem várias tecnologias. A principal delas e mais segura é por meio do uso de preservativo masculino ou feminino durante todas as relações sexuais. Outra forma de prevenir a infecção pelo HIV é por meio do uso diário de uma pílula antirretroviral (ARV). 

A Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) é também conhecida como Truvada. O medicamento combina dois retrovirais que impedem que o vírus causador da Aids infecte o organismo, antes de a pessoa ter contato com o vírus. Para isso, é necessário que a PrEP seja utilizada todos os dias. Caso contrário, pode não haver concentração suficiente do medicamento em sua corrente sanguínea para bloquear o vírus.

A pílula começa a fazer efeito após sete dias de uso para relação anal e 20 dias de uso para relação vaginal. Em Santa Catarina, a PrEP já está disponível gratuitamente em 10 cidades: Balneário Camboriú, Brusque, Criciúma, Florianópolis, Herval d’Oeste, Indaial, Itajaí, Joinville, São Francisco do Sul e Videira.

Em Chapecó, o Sistema Único de Saúde (SUS) ainda não oferece a PrEP. De acordo com a coordenadora do Serviço de Atendimento Especializado de Chapecó, Vanize Putzel, a expectativa é que em 2020 o município também ofereça esse medicamento. 

“Nós temos grande procura da PrEP, mas no momento o setor ainda está se estruturando. Um médico infectologista foi chamado para assumir 20h. Como ele ainda não veio, eu só tenho uma médica infectologista 20h para acompanhar 1.459 pessoas. Por isso ainda não tive pernas para assumir a PrEP. Com dois infectologistas de 20h, em 2020 a nossa probabilidade de assumir a PrEP é muito grande”, afirma Vanize. 

Quem pode usar a PrEP?

•    Gays e outros homens que fazem sexo com homens; 
•    Pessoas trans; 
•    Trabalhadores(as) do sexo.
•    Quem frequentemente deixa de usar camisinha em suas relações sexuais (anais ou vaginais);
•    Quem tem relações sexuais, sem camisinha, com alguém que seja HIV positivo e que não esteja em tratamento;
•    Quem paz uso repetido de PEP (Profilaxia Pós-Exposição ao HIV);
•    Quem apresenta episódios frequentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis.

Profilaxia pós-exposição (PEP)

Assim como a PrEP, a Profilaxia Pós-Exposição (PEP) é uma medida de prevenção de urgência à infecção pelo HIV. Porém, deve ser utilizada após qualquer situação em que exista risco de contágio, como violência sexual, relação sexual desprotegida ou acidente ocupacional. 

Como profilaxia para o risco de infecção para o HIV, a PEP consiste no uso de medicamentos antirretrovirais para reduzir o risco de infecção em situações de exposição ao vírus. Trata-se de uma urgência médica, que deve ser iniciada o mais rápido possível, preferencialmente nas primeiras duas horas após a exposição e no máximo em até 72 horas. A duração da PEP é de 28 dias e a pessoa deve ser acompanhada pela equipe de saúde.

Em Chapecó, a PEP é oferecida gratuitamente pelo SUS e está disponível no Serviço de Atendimento Especializado de Chapecó, no Hospital Regional do Oeste (HRO), no Hospital da Criança Augusta Muller Bohner e no Hospital Unimed. 

PEP em números

- No último ano, 194 pessoas tomaram a PEP em Chapecó;
- 43 profissionais da saúde;
- 123 pessoas que tiveram relações sexuais desprotegidas;
- 28 vítimas de violência sexual;

Previna-se 

Além de prevenir o HIV, o preservativo evita outras ISTs e a gravidez não planejada. O gel lubrificante, que deve ser sempre à base de água para não danificar o preservativo, também tem um papel essencial na prevenção da transmissão sexual do HIV. Seu uso nas relações sexuais diminui o atrito e a possibilidade de provocar microlesões das mucosas genitais e anais, que funcionam como porta de entrada para o HIV e outros micro-organismos.

O preservativo masculino, feminino e o gel lubrificante são disponibilizados gratuitamente em toda a rede pública de saúde. Nas unidades de saúde de Chapecó, tem disponível os testes rápidos para Hiv, Sífilis e hepatites. O exame do HIV é sigiloso, individual, confiável, gratuito e rápido.

O resultado fica pronto em poucos minutos. Quanto mais cedo descobrir que tem o HIV e iniciar o tratamento antirretroviral melhor vai ser a resposta contra o vírus. O tratamento do HIV é feito com medicamentos antirretrovirais (ARV), popularmente conhecido como “coquetel”. Ele pode prolongar a vida da maioria das pessoas vivendo com HIV e diminuir a chance de transmissão.


DEIXE SEU COMENTÁRIO

“Nos excluíam como eram excluídos no passado os leprosos”
Pessoas que vivem com HIV recebem tratamento humanizado em Chapecó
Pelo SUS, a população pode ter acesso a testes rápidos e gratuitos de HIV
Pílula que previne o HIV já é realidade em Santa Catarina
1,1 mil pessoas vivem com HIV em Chapecó
135 mil brasileiros vivem com HIV e não sabem