Vereador Arestide Fidelis é condenado a oito anos de prisão

Na sentença, justiça determinou início do cumprimento da pena e Fidelis saiu do julgamento direto para o presídio. Ele também foi condenado a seis meses de reclusão em regime aberto por embriaguez ao volante

Depois de quase 12 horas de julgamento, o vereador e presidente da Câmara de Vereadores de Chapeco, Arestide Fidelis, foi condenado a 8 anos de reclusão pelos sete crimes de tentativa de homicídio e seis meses de detenção por embriaguez ao volante.


A decisão foi lida pelo juiz Jeferson Vieira às 20h25 desta sexta-feira (12).


Na decisão, o juiz ainda determinou que ele iniciasse imediatamente o cumprimento da pena, negando o direito de recorrer em liberdade.


Depois da leitura da sentença, Fidélis recebeu o abraço dos familiares e saiu acompanhado pela Polícia Militar para o Presídio de Chapecó.


O advogado de defesa de Fidélis, Arthur Losekann, disse que vai recorrer da decisão do magistrado.


“Tem dois caminhos que vamos seguir: o primeiro é garantir que ele tenha o direito de recorrer em liberdade. Vamos protocolar amanhã o pedido de habeas corpus, para tentar colocar ele o quanto antes em liberdade. Outra ação é que a defesa não está satisfeita com a quantidade de pena aplicada. Obvio que vamos tentar a absolvição, mas a gente vai pedir que essa pena fique abaixo dos oito anos e tentar em regime semiaberto”, disse após o julgamento.


O magistrado, Jeferson Vieira, falou sobre a sentença. “O conselho de sentença reconheceu que o réu deve ser responsabilizado pelas sete tentativas de homicídio, e também o crime de conduzir veículo sob estado de embriaguez. Foi negado o direito do réu recorrer em liberdade, isso baseado em precedente do Supremo Tribunal Federal, com entendimento que temos adotado na comarcar há vários meses. Sempre que temos condenação pelo Tribunal do Júri , imediatamente imposta a pena privativa de liberdade como soberania dos veredictos”, enfatizou o juiz. Por ocupar função pública, Fidelis deverá ocupar cela especial. 


O julgamento


Em um auditório lotado no Fórum da comarca de Chapecó nesta sexta-feira (12), foi realizado o julgamento do vereador e presidente da Câmara de Vereadores de Chapecó, Arestide Fidelis, acusado de sete tentativas de homicídio e mais dirigir embriagado, após um acidente registrado no dia 1º de maio de 2014. 


20 testemunhas foram ouvidas na parte da manhã da sexta-feira (12), 16 delas em depoimentos gravados e outras quatro testemunhas estiveram presencialmente em frente ao Tribunal do Júri.


Antes do início do Júri, o advogado de defesa, Arthur Losekann, falou com a imprensa sobre o julgamento. “Ele está sendo acusado de um crime doloso e o que a defesa quer é não a absolvição em si, mas a condenação pelo que é justo que é o crime culposo”, disse o advogado.


Para o Ministério Público, segundo o doutor Cyro Guerrero Junior, o crime se trata de uma tentativa de homicídio doloso. “Com dolo eventual. O Ministério Público entende que o réu assumiu o risco de causar a morte de todas as sete vítimas envolvidas no acidente”, disse. 

 

Família falou sobre o acidente

 

O primeiro a falar foi Marcos Vassoler Nunes, condutor do Renault Logan que bateu de frente com o carro conduzido por Fidélis e pai da jovem, na época com 13 anos, que teve os ferimentos mais graves na colisão.


Ele respondeu questionamentos do juiz que presidiu a sessão, Jeferson Vieira, também do Ministério Público, assistente de acusação e os questionamentos feitos pela defesa do vereador.


Em sua fala, Marcos falou das dificuldades enfrentadas e as diversas cirurgias pelas quais a filha passou, para reparar as sequelas deixadas pelo acidente, principalmente relacionadas ao trauma que ela sofreu na cabeça.


Após o depoimento, ele disse ao Diário do Iguaçu sobre o quanto era difícil relembrar esses momentos.


“Especialmente para minha esposa e meus filhos, que precisaram atendimento psicológico. Mudou a rotina da nossa família e reviver isso é doloroso”, disse.


Ele contou que a filha precisou passar por seis ou sete cirurgias, entre o dia do acidente e nos anos seguintes, colocação de prótese nas regiões da face onde houve fratura e outros procedimentos.


Alguns procedimentos foram custeados pelo SUS e outros a família precisou custear. Nas duas últimas cirurgias que ela precisou fazer, o custo estimado pela família é de R$ 25 mil.


“A gente espera que a justiça seja feita e ele responda pelo que ele fez. Em nenhum momento ele teve a capacidade de reconhecer ou auxiliar nossa família. Nunca tivemos o auxílio de quem foi o causador disso tudo, nem mesmo um pedido de desculpas”, disse.


Na sequência foi a vez de Juceleia Vassoler Nunes falar. Emocionada, ela lembrou do acidente e dos momentos de agonia que viveu ao ver o marido e a filha feridos e sem respondê-la. Lembrou de ver a pessoa do outro carro sair do local sem ajudá-la.


“Eu trabalho há 20 anos [como técnica de enfermagem] com vidas. Quantas vidas eu ajudei. E, naquele momento, eu era o único socorro para a minha família”, contou emocionada. 


Ao Diário do Iguaçu, Juceleia disse que esses quase cinco anos foram muito difíceis, especialmente para a filha do casal, que ainda carrega cicatrizes do acidente, em função do traumatismo craniano que sofreu.


“Procuramos fazer tudo para ela se sentir melhor. Eu, o pai e nossos familiares fizemos tudo para que ela se recuperasse”, disse. 


Ela contou, ainda, que jamais o vereador procurou a família. “Não nos estendeu a mão nem no dia do acidente, nem depois de tanto tempo, sequer para dizer ‘eu estou aqui para ajudar'. Tivemos que nos virar sozinhos”, contou.


A filha do casal também estava no local e deu um depoimento bastante emocionado falando.

 

Vereador assume que errou

 

Por volta das 11h30 foi a vez do vereador Arestide Fidelis dar seu depoimento. Ele contou que estava em uma confraternização próximo ao aeroporto e que por volta das 16h pegou o carro com direção ao bairro Engenho Braun.


Ele confirmou ter ingerido bebida alcóolica, sem saber precisar a quantidade exata, mas citou entre três ou quatro copos de cerveja.


Ele contou ainda que faz uso de um medicamento há mais de 15 anos sempre antes do almoço, mas que neste dia ingeriu o remédio sem almoçar e já estava consumindo bebida alcoólica, quando começou a sentir-se mal.


Por volta das 16h ele pegou seu carro e seguiu em direção ao Engenho Braun, quando pouco após a entrada do bairro Santo Antônio iniciou uma ultrapassagem a um caminhão, admitindo tê-lo feito em local com faixa dupla (onde a manobra é proibida), lembra de bater na Ecosport e depois o choque com o Logan.


“Eu acredito na justiça, vocês querem a justiça e eu estou aqui diante de pessoa que vão fazer a justiça. Não tenho dúvida. O meu lema da minha vida foi trabalhar, fazer o bem para as pessoas. Já pedi perdão para a família, desculpas públicas em todas as manifestações que eu fiz. Se isso não basta, estou diante de vossa excelência e dos jurados. Façam a justiça, mas a justiça do Arestide homem, ex-trabalhador da Sadia, não do presidente da câmara de vereadores nem do Arestide vereador”, salientou.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Bebê de um mês fica preso dentro de carro em Chapecó
Xaxim tem confirmado o primeiro caso de dengue
Projeto Itinerante chega à Chapecó para ensinar sobre educação financeira a professores
Tradição de 50 anos em Nova Itaberaba
Acusada de matar a irmã vai a júri popular em Concórdia
Balcão de empregos faz entrevista emergencial em Chapecó
Homem é atingido por descarga elétrica e morre em Dionísio Cerqueira
Balcão de Empregos divulga datas de entrevistas em Chapecó
Usuários do transporte coletivo com deficiência passam ser atendidos no centro de Chapecó
Polícia prende dois por suspeita de tentar latrocínio em Chapecó