Projeto leva a prática do tênis a pessoas com deficiência física em Abelardo Luz

Professor recebe apoio e desenvolve atividades de inclusão

- Publicidade -
 

"O esporte tem o poder de fazer com que as pessoas voltem a gostar de viver", foram as palavras do educador físico Atalício do Amarante, que viu no tênis uma oportunidade de resgatar o sorriso no rosto de pessoas com deficiência. Há 10 anos na profissão, sempre teve identificação com esse público.

Depois de trabalhar em APAEs, com idosos, deficientes visuais e auditivos, tornou-se empreendedor em uma academia de musculação, onde continuou a atuar com Pessoas com Deficiência (PCDs). Hoje, atende cinco desses alunos e com o apoio de instituições que acreditaram no seu projeto, deu início a um novo trabalho: o tênis solidário, que será desenvolvido em Abelardo Luz, a 85 quilômetros de Chapecó.

Atalício conta que conheceu a modalidade por influência da mulher. "Eu jogava futebol profissionalmente e, quando parei, acabei me encantando pelo tênis. Comecei a disputar torneios amadores e, vendo minha empolgação, meus alunos começaram a demonstrar grande curiosidade e interesse pelo esporte. Foi aí que pensei: por que não?", lembra.

Perguntou para os aprendizes se eles não tinham vontade de arriscar em um exercício diferente e adoraram a ideia. "O tempo passou e ficou um pouco adormecida, mas quando um deles me chamou e perguntou 'e aí, professor! Quando é que vamos no clube bater uma bolinha?', me senti tocado, comovido e resolvi reacender este sonho", relata.

Um tenista que o educador físico tem grande admiração é o atleta paraolímpico, natural de Santa Catarina, Ymanitu Silva. "Sempre segui ele nas redes sociais e, sem dúvidas, é uma inspiração não só pra mim, como para os meus alunos e todos que são apaixonados pelo esporte", conta.

Auxílio da Federação

Como os equipamentos e acessórios para a modalidade não são tão acessíveis, Atalício foi em busca de apoio e a primeira pessoa com quem entrou em contato foi com Ymanitu. "Eu estava em busca de cadeiras de rodas adaptadas e perguntei a ele como eu podia obter esse auxílio. Imediatamente recebi uma resposta e, de forma muito solícita, ele me colocou em contato com a Federação Catarinense de Tênis", explica.

Em pouco mais de uma semana, o sonho começou a se tornar realidade. A gerente da FCT, Andreia Schülter Buss, foi uma das responsáveis por essa ajuda. "Fiquei muito comovida com a história e lembrei que tínhamos duas cadeiras de rodas que poderiam ser de grande utilidade pra ele. Montamos os equipamentos, fizemos a manutenção e as enviamos para o Oeste", diz.

Parceria local

Com as cadeiras em mãos, o Clube Real Abelardo Luz também apoiou a iniciativa e disponibilizou gratuitamente a quadra de tênis para a realização do trabalho. "Vamos iniciar com três pessoas, mas a intenção é ampliar o projeto. Só tenho a agradecer aos que acreditaram em mim e nos deram essa oportunidade de trazer mais esperança, atividade física e vida para eles", diz.

As aulas são realizadas em dois dias da semana, de forma voluntária. "A gente não consegue mudar o mundo sozinho, mas se fizermos algo ao nosso redor e que está ao nosso alcance, tenho certeza de que podemos ser a diferença na vida de muitas pessoas", finaliza.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Diretriz técnica da FCF regulamenta presença de competidores e imprensa na volta do Catarinão
Catarinão 2020: Jogos têm datas e horários alterados
“Vamos trabalhar para manter o Galo na elite do campeonato”, afirma preparador físico, Lucas Picolotto
Felipe Tozzo tem experiência inédita e positiva na copa truck
Chapecoense Felipe Tozzo na Copa Truck
Meia Warley fica no Galo do Oeste até final de 2021
Antonella Bassani está entre as 20 selecionadas para Mundial da FIA e Ferrari para jovens pilotos na Europa
Atleta do handebol de Concórdia, Sabri Fiore fecha contrato com time espanhol BM La Calzada
Concórdia contrata centroavante para a sequência do campeonato catarinense
Federação Catarinense define diretrizes para a retomada do Campeonato Catarinense