Proposta de distribuição dos valores do pré-sal desagrada prefeitos

Prefeitos catarinenses não concordam com nova proposta que transforma os recursos em emendas parlamentares

- Publicidade -
 

Comitiva de prefeitos, liderada pela Federação Catarinense de Municípios (Fecam), está em Brasília (DF) a partir desta terça-feira (8) para estruturar ação junto a Confederação Nacional de Municípios (CNM) contra mudança na PEC 152/2019, que trata da distribuição entre União, Estados e Municípios de recursos com a cessão onerosa do pré-sal.

Não considerada a divisão prevista na Proposta de Emenda à Constituição (PEC), Santa Catarina poderá perder R$ 41,2 milhões. Somente as prefeituras deixariam de receber R$ 20,6 milhões, que deixariam de entrar nos cofres públicos via Fundo de Participação de Municípios (FPM), e seriam destinados para liberação de emendas parlamentares.

A análise da PEC 152/2019 está prevista para acontecer nesta quarta-feira (9), a partir das 9h, na sala de reuniões da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. Informações da CNM apontaram que existe a possibilidade de mudança em critérios e percentuais, indicativos que devem diminuir os valores repassados aos municípios.

::: Participe do nosso grupo de WhatsApp :::

Em abril desse ano, durante a Marcha de Prefeitos, em Brasília, o governo federal acordou com a CNM a garantia do repasse diretamente aos municípios, na presença do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Fazenda, Paulo Guedes. Para o presidente da Fecam, Joares Ponticelli, o acordo segue antiga reivindicação dos prefeitos para equilibrar o Pacto Federativo.

Segundo Ponticelli, a aprovação da PEC 152/2019 é urgente, uma vez que o leilão do pré-sal está marcado para o dia 6 de novembro. A PEC que trata dos recursos da cessão onerosa, já aprovada no Senado Federal, defende a distribuição de repasse de 15% para Estados, 15% para municípios, 3% para Estados produtores e 67% para a União.

Assim, segundo a CNM, seguindo a previsão de R$ 106 bilhões a serem arrecadados com o leilão, R$ 33 bilhões deverão ser destinados à Petrobras, R$ 48,9 bilhões à União, R$ 10,95 bilhões aproximadamente para Estados e R$ 10,95 para Municípios e R$ 2,1 bilhões a Estados produtores. A previsão é que SC receba R$ 412 milhões, caso esse percentual seja mantido.

::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região :::

A possibilidade de mudança na proposta incomoda os prefeitos catarinenses, pois diminuiria para 10% o repasse aos Estados e 10% também para os municípios, ficando 10% dos recursos disponíveis para emendas parlamentares. Só os municípios catarinenses perderiam R$ 128 milhões e, com a diminuição do percentual a mesma perda também afetaria o Estado, passando dos previstos R$ 412 milhões em repasse para R$ 281 milhões.

Ponticelli destaca que a Fecam se unirá ao movimento municipalista do País. “Queremos impedir que esse absurdo aconteça na Câmara dos Deputados e que os recursos sejam distribuídos como foi acordado anteriormente com o governo federal, através do FPM e FPE, com distribuição mais justa para todos os municípios do Brasil”, destaca Ponticelli.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

MDB de Chapecó elege novo diretório e define executiva
Deputados estaduais do PSB mantêm mandatos
Justiça manda prender vereador Arestide Fidelis
TRE é unânime em manter mandato do deputado Bruno Souza
Requerimento para CPI sobre concurso da PM é lido em Plenário
MDB de Xanxerê realiza convenção municipal no domingo
IGP presta contas de serviços realizados em Chapecó
Observatório Social contesta gastos da Câmara de Chapecó
Municípios catarinenses comemoram aprovação da regra para divisão de recursos do pré-sal
Deputados estaduais e os problemas com seus partidos