Proposta de distribuição dos valores do pré-sal desagrada prefeitos

Prefeitos catarinenses não concordam com nova proposta que transforma os recursos em emendas parlamentares

- Publicidade -
 

Comitiva de prefeitos, liderada pela Federação Catarinense de Municípios (Fecam), está em Brasília (DF) a partir desta terça-feira (8) para estruturar ação junto a Confederação Nacional de Municípios (CNM) contra mudança na PEC 152/2019, que trata da distribuição entre União, Estados e Municípios de recursos com a cessão onerosa do pré-sal.

Não considerada a divisão prevista na Proposta de Emenda à Constituição (PEC), Santa Catarina poderá perder R$ 41,2 milhões. Somente as prefeituras deixariam de receber R$ 20,6 milhões, que deixariam de entrar nos cofres públicos via Fundo de Participação de Municípios (FPM), e seriam destinados para liberação de emendas parlamentares.

A análise da PEC 152/2019 está prevista para acontecer nesta quarta-feira (9), a partir das 9h, na sala de reuniões da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. Informações da CNM apontaram que existe a possibilidade de mudança em critérios e percentuais, indicativos que devem diminuir os valores repassados aos municípios.

::: Participe do nosso grupo de WhatsApp :::

Em abril desse ano, durante a Marcha de Prefeitos, em Brasília, o governo federal acordou com a CNM a garantia do repasse diretamente aos municípios, na presença do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Fazenda, Paulo Guedes. Para o presidente da Fecam, Joares Ponticelli, o acordo segue antiga reivindicação dos prefeitos para equilibrar o Pacto Federativo.

Segundo Ponticelli, a aprovação da PEC 152/2019 é urgente, uma vez que o leilão do pré-sal está marcado para o dia 6 de novembro. A PEC que trata dos recursos da cessão onerosa, já aprovada no Senado Federal, defende a distribuição de repasse de 15% para Estados, 15% para municípios, 3% para Estados produtores e 67% para a União.

Assim, segundo a CNM, seguindo a previsão de R$ 106 bilhões a serem arrecadados com o leilão, R$ 33 bilhões deverão ser destinados à Petrobras, R$ 48,9 bilhões à União, R$ 10,95 bilhões aproximadamente para Estados e R$ 10,95 para Municípios e R$ 2,1 bilhões a Estados produtores. A previsão é que SC receba R$ 412 milhões, caso esse percentual seja mantido.

::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região :::

A possibilidade de mudança na proposta incomoda os prefeitos catarinenses, pois diminuiria para 10% o repasse aos Estados e 10% também para os municípios, ficando 10% dos recursos disponíveis para emendas parlamentares. Só os municípios catarinenses perderiam R$ 128 milhões e, com a diminuição do percentual a mesma perda também afetaria o Estado, passando dos previstos R$ 412 milhões em repasse para R$ 281 milhões.

Ponticelli destaca que a Fecam se unirá ao movimento municipalista do País. “Queremos impedir que esse absurdo aconteça na Câmara dos Deputados e que os recursos sejam distribuídos como foi acordado anteriormente com o governo federal, através do FPM e FPE, com distribuição mais justa para todos os municípios do Brasil”, destaca Ponticelli.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Ex-secretário da Saúde nega ter autorizado pagamento antecipado na compra dos respiradores
Polícia apreende drogas, dinheiro e rádios comunicadores em operação em Chapecó
À CPI, Borba nega qualquer participação na compra dos respiradores
Servidora diz que Zeferino definiu Veigamed como fornecedora dos respiradores
CCJ acata projeto que regulamenta educação domiciliar em SC
Amandio Junior: Conciliador no governo Carlos Moisés
Bancada do Oeste debate situação da região com empresários
Prefeitos catarinenses voltam a defender a unificação das eleições no Brasil
Ex-prefeito de Caxambu do Sul é condenado pela prática de “rachadinha”
Homem é baleado no bairro Efapi