SC registra 29% de aumento nas exportações de carne suína em 2019

Estado é responsável por quase 60% do produto exportado no país, que geraram, de janeiro a julho de 2019 um faturamento de US$ 467,6 milhões. China é o principal destino

- Publicidade -
 

Cada 10 produtos de carne suína exportados pelo Brasil, seis deles são produzidos em Santa Catarina. O status sanitário diferenciado e a qualidade permitiu ao estado se consolidar como o maior produtor e exportador do produto no país. De janeiro a julho deste ano, foram 236,6 mil toneladas embarcadas – 58% do total nacional – gerando um faturamento de US$ 467,6 milhões.


De acordo com a Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural de SC, em julho, o estado exportou 35,1 mil toneladas de carne suína, com faturamento de US$ 75,2 milhões, 3,5% acima do mês anterior. Esse é o segundo melhor resultado do ano, atrás apenas dos embarques registrados em maio.


“Santa Catarina continua crescendo em exportações, tanto na venda de suínos quanto de aves. A China se tornou um grande mercado e vem aumentando as compras ao longo do ano, mas nós não podemos perder de vista outros mercados importantes. Nosso objetivo agora é abrir as exportações de carne suína para o México”, ressalta o secretário da Agricultura Ricardo de Gouvêa.


33,5% de aumento no faturamento


E no acumulado do ano os dados também são expressivos. O estado teve uma alta de 33,5% nas receitas com as exportações de carne suína e de 29,2% na quantidade embarcada.


A maioria dos principais mercados aumentou de forma significativa suas compras ao longo do ano, com destaque para China, que ampliou em 49,9% as importações do produto catarinense em relação ao mesmo período de 2018.


Este ano, Santa Catarina também retomou as exportações para Rússia, que já foi o maior mercado e agora ocupa a 5ª colocação no ranking dos embarques de carne suína. O estado também aumentou muito as vendas para Vietnã e Coreia do Sul.

 

China é o principal destino


A China é o maior importador de carne suína do mundo, principal mercado para o produto catarinense e com um grande potencial de crescimento. O gigante asiático responde por 41% de tudo o que Santa Catarina já faturou com as exportações de carne suína este ano. Quando se contabiliza também os embarques para Hong Kong, região administrativa especial da China, a participação sobe para 55%.


Enquanto o estado comemora o aumento nas vendas, a China vive uma grave crise na suinocultura. O país já registrou mais de uma centena de focos de peste suína africana, o que pode causar queda de até 30% na sua produção em 2019, conforme apontam diversos especialistas.

 

Segundo o analista do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), Alexandre Giehl, a suinocultura catarinense deve continuar sendo favorecida por esse cenário, já que há expectativa de que a China intensifique ainda mais suas importações de carne suína nos próximos meses.


"Além do expressivo aumento dos embarques para a China, a carne suína catarinense tem ampliado sua inserção em mercados extremamente exigentes, como é o caso da Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos, o que demonstra a competitividade do setor", complementa.


Os problemas enfrentados pela China e outros países asiáticos podem também ter impacto positivo sobre as exportações de outras carnes, como é o caso do frango, que é um substituto tradicional da carne suína.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Sine tem 900 vagas de emprego abertas no Oeste
Fort Atacadista comemora aniversário de 102 de Chapecó em evento tradicionalista
Mais de 200 vagas disponíveis no Balcão de Empregos de Chapecó
Brasileiro valoriza aprendizagem na vida adulta, aponta pesquisa
12 direitos que os consumidores têm e não sabem
Mundo Pet de pássaros movimenta a economia em Chapecó
MP da Liberdade Econômica: O que muda?
Trabalhadores nascidos em agosto já podem sacar o Pis/Pasep
Entrega do troféu O Desbravador será nesta quinta-feira
Saiba como as empresas sobreviverão na nova economia