Royalties do petróleo geram atrito entre governador catarinense e a Fecam

Pedido feito pelo Rio de Janeiro para adiar julgamento foi endossado por Carlos Moisés. Entidade diz que adiamento trará prejuízos aos municípios de Santa Catarina

- Publicidade -
 

O Supremo Tribunal Federal (STF), através do presidente Dias Toffoli e da ministra Cármen Lúcia, comunicaram na noite de quinta-feira (7) que o julgamento das referidas ações sobre a divisão dos royalties do petróleo entre produtores e não produtores foi transferido para o dia 22 de abril de 2020. O julgamento estava marcado para o próximo dia 20 de novembro.

No começo de outubro, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), apresentou ao STF um pedido para que a Corte adiasse em seis meses o julgamento das ações. Outros cinco governadores, entre eles o de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), endossaram o documento do mandatário fluminense pedindo pelo adiamento do julgamento das ações no Supremo.

Witzel pediu ainda uma audiência de conciliação entre o Distrito Federal e os 26 estados. Em abril passado, Toffoli havia marcado para 20 de novembro o julgamento sobre a validade das regras de divisão dos royalties do petróleo explorado em estados e municípios. A medida visa tornar a partilha mais igualitária entre produtores e não produtores e se arrasta desde 2013.

Em março daquele ano, a ministra Cármen Lúcia suspendeu liminarmente parte da nova Lei dos royalties do petróleo, aprovada no fim de 2012. A confirmação da decisão está pendente de julgamento desde então. Naquela época, a liminar atendeu inteiramente ao pedido do estado do Rio de Janeiro, que alegava que a lei afrontava diversas regras constitucionais.

Fecam critica governo catarinense

Por nota, a Federação Catarinense de Municípios (Fecam) lamentou o novo adiamento do julgamento. “Causa estranheza que o governo catarinense tenha concordado com matéria que traz prejuízo milionário e perda de valores para SC e também aos seus 295 municípios, uma vez que nossos interesses são divergentes dos interesses defendidos pelo Rio de Janeiro”.

A Fecam argumenta que o governo fluminense resiste contra a nova regra de divisão dos royalties do petróleo que pretende distribuir os recursos para todo o País. A Fecam estima que, desde 2013, a perda para Santa Catarina alcança aproximadamente R$ 800 milhões. A Entidade teve acesso nesta semana ao documento assinado pelo governador Carlos Moisés.

::: Participe do nosso grupo de WhatsApp :::

“O documento assinado pelo governador endossa a pretensão do Rio de Janeiro, que é frontalmente contrária a Santa Catarina, conforme pode ser conferido na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 4917) e no teor do próprio documento”. A Fecam adiante que requererá esclarecimentos do governo estadual pelo posicionamento do governador.

Por fim, a entidade demonstra que, ao contrário da nota expedida pela Secretaria de Estado de Comunicação na quinta-feira (7), não é factual quando tenta atribuir posicionamento do mandatário estadual à disputa sobre linhas limítrofes do mar territorial (Ação Cível Originária – ACO 444, travada entre Santa Catarina e Paraná). “A ADI e ACO são ações distintas”, esclarece.

Carlos Moisés se manifesta

O jornal Diário do Iguaçu entrou em contato com a assessoria de comunicação do governo catarinense nesta sexta-feira (8) para saber os motivos que levaram o governador Carlos Moisés a assinar o documento que endossa o pedido da administração estadual do Rio de Janeiro. Pelo período da tarde, foi encaminhado um vídeo onde Moisés se justifica.

Na publicação, o governador alega que a medida possibilita uma conciliação e atende ao um pedido do Rio de Janeiro, que é o autor da ADI. “Nestes sete anos, Santa Catarina nunca se manifestou sobre o assunto. Queremos confirmar a proposição da lei, no sentido de distribuir os royalties do petróleo para todos os estados e municípios não produtores no Brasil”.

::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região :::

“A importância desse momento é que podemos antecipar a vinda desses recursos, porque uma ação dessas pode se arrastar por mais cinco, dez anos. O RJ já sinalizou que entrará com recursos, poderá haver vistas dos próprios ministros. Então, a gente entende que com diálogo e possibilidade de entendimento, pode trazer mais agilidade na entrega dos recursos”.

Em documento do dia 8 de outubro, Witzel (PSC), com apoio de Moisés e dos governadores do Amazonas, Wilson Miranda Lima (PSC); de Alagoas, Renan Calheiros Filho (MDB); de Sergipe, Belivaldo Chagas (PSD); e do Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM); solicitou a suspensão da tramitação da ADI 4917, uma vez que o RJ fez pedido de audiência de conciliação entre estados junto ao STF.


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Prefeito busca apoio para agenda em Brasília sobre a BR-163
PSC de Chapecó confia na via alternativa para a eleição municipal
Ministério Público passa a monitorar contratação de segundo professor para 2020
Plano de Mobilidade Urbana segue em implementação em Chapecó
Partido NOVO não participará da eleição em Chapecó
Nova regra sobre taxas cobradas nos cartórios em SC entra em vigor em março
Lideranças costuram nova via para a eleição em Chapecó
Prefeito de Concórdia é o novo vice-presidente estadual do PSDB
Governador sanciona leis sobre benefícios fiscais em SC
Comissão Especial se reúne para avaliar Código de Posturas de Chapecó