Time chapecoense representa clube gaúcho na Superliga B de Vôlei Feminino

Equipe do Oeste catarinense joga pela cidade de Marau

- Publicidade -
 

A Associação Chapecoense de Vôlei (ACV) disputa a Superliga Nacional B Feminina de 2019. O time do Oeste catarinense representa o Centro de Formação e Treinamento de Atletas de Alto Rendimento (CEFA), da cidade de Marau (RS), a 210 quilômetros de Chapecó. A equipe já entrou em quadra três vezes pelo campeonato e briga para chegar à semifinal.

Com o nome do clube gaúcho, a ACV enfrentou logo de cara os favoritos às duas vagas para a próxima Superliga principal. Na estreia, derrota para um time que defende uma camisa de peso, o Flamengo, pelo placar de 3 sets a 0 (18/25, 26/28 e 13/25), em casa, no Ginásio Jatyr Francisco Foresti. Pela segunda rodada, revés para o Valinhos por 3 a 0 (25/14, 25/13 e 25/11), no interior paulista. O adversário participou da divisão de elite na última temporada e agora tenta retornar.

A recuperação do CEFA veio em grande estilo. O grupo do técnico Michel Guimarães aplicou 3 a 0 no Bradesco, com parciais de (24/26, 28/30 e 20/25), em Osasco, na região metropolitana de São Paulo (SP). O confronto foi disputado no último sábado (2) e valeu pela terceira rodada da fase classificatória. “Foi um jogo difícil, enfrentamos uma equipe forte, principalmente quando joga em casa. Mas nosso time manteve o equilíbrio e soube aproveitar as oportunidades”, comentou o treinador.

Situação no campeonato

Com três pontos, o CEFA ocupa a sexta colocação. A pontuação é a mesma dos paranaenses São José dos Pinhais, que está em quinto lugar, e Londrina, sétimo colocado. A lanterna é segurada pelo Bradesco, com um ponto, na oitava posição. Os quatro primeiros são Valinhos e Flamengo, com nove pontos (100% de aproveitamento), Maringá (PR) e Franca (SP), quatro. Os quatro primeiros se classificam para os cruzamentos. Campeão e vice sobem para a Superliga principal.

O próximo compromisso das chapecoenses está marcado para este domingo (10). O CEFA vai visitar o São José dos Pinhais, na grande Curitiba, às 18h, pela quarta rodada. Depois, os três jogos restantes na etapa inicial serão contra Londrina, Franca e Maringá, todos em Marau.

Por que não jogar em Chapecó?

Assim como o CEFA, a ACV também tinha vaga para jogar a Superliga B. Entretanto, acabou abrindo mão do direito de participar da competição por insuficiência orçamentária no início do ano e pelo fato de a quadra do ginásio Ivo Silveira não estar em condições de uso. Está encaminhada a compra de um piso especial por parte da Associação Chapecoense de Futebol, que apoiará o vôlei feminino e masculino de Chapecó.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Oeste ganha títulos no futsal, no tênis de mesa e no vôlei na Olesc em Videira
Time de Concórdia reage no Paraná e mostra força na Liga Nacional de Handebol
Da arquibancada para a pista! Aos 58 anos, chapecoense realiza sonho no automobilismo
Campeão internacional, atleta de Chapecó é atração no tênis de mesa da Olesc
Vôlei feminino de Chapecó em contagem regressiva para o Campeonato Catarinense
Concórdia perde mais uma em casa e continua sem vencer na Liga Nacional de Handebol
Maraviha recebe cerca de 200 atletas para etapa do Circuito Catarinense de Tênis de Mesa
Handebol feminino de Concórdia continua sem vencer na Liga Nacional 2019
Equipes de Chapecó conquistam 21 medalhas no Campeonato Catarinense de Natação
Handebol Feminino de Concórdia joga nesta terça-feira em casa pela Liga Nacional