Um motivo para ter fé

Francyelly Sales Branco, de 34 anos, enfrentou o câncer de mama em 2014. Depois de curada, ela aprendeu a valorizar as pequenas coisas da vida

- Publicidade -
 

Nadia Michaltchuk
nadia@diariodoiguacu.com.br

Francyelly Sales Branco, de 34 anos, foi diagnosticada com câncer mama. Uma grave doença era a última coisa que ela esperava após as férias de verão de 2014. Tudo começou em dezembro de 2013, quando ela sentiu um caroço no seio esquerdo. Apesar disso, a moradora do bairro São Cristóvão, em Chapecó, não imaginou que poderia ser câncer. 

>> Últimas notícias <<

Em 12 de fevereiro do ano seguinte, ela foi consultar e recebeu a notícia de que se tratava de um tumor maligno. “O meu mundo desabou. Fiquei sem acreditar que aquilo estava acontecendo comigo, porque realmente tinha pensado que não era nada demais. Recebi o diagnóstico às 10 horas e não consegui sair do consultório antes do meio-dia. Chorei muito”, conta. Até hoje, Francyelly não lembra como chegou em casa. “Eu estava muito abatida, mas tive que voltar pra casa e contar pra minha família”, acrescenta. 

Na época, ela era mãe de dois filhos: Thuany Sander, de 14 anos, e Yan Gabriel, de 5 anos. A maior preocupação era chorar em frente aos filhos. “Todo mundo diz que fui forte, porque em momento algum chorei na frente da minha família ou deixei eles me verem abalada”, lembra.

Em 12 dias, Francyelly foi submetida a uma cirurgia de retirada das mamas. “A recuperação foi bem difícil. Eu passei três meses dormindo sentada no sofá, porque não conseguia mover o peito. A minha filha me ajudava em tudo”, destaca.

Dias de luta  

Embora os três primeiros meses após a descoberta do câncer terem sido difíceis, o pior ainda estava por vir. Quando estava começando a se recuperar da cirurgia, Francyelly começou as sessões de quimioterapia. O tratamento foi realizado no Hospital Regional do Oeste (HRO) e durou cerca de seis meses. Ao todo, foram seis sessões, com intervalo de 21 dias.

Quatorze dias após a primeira sessão de quimioterapia, o cabelo de Francyelly começou a cair. “Foi aí que começou a cair a ficha do que eu estava passando”, diz. Após três dias sentindo que, aos poucos, o cabelo estava caindo, ela decidiu raspar. “Era ruim porque tinham muitos curiosos, que queriam ver meu cabelo caindo. Aquilo me deixava muito mal, então decidi acabar com aquela situação”, conta.   

A luta de Francyelly começava logo na segunda-feira de manhã, quando ela realizava as sessões de quimioterapia. Os efeitos colaterais começavam a aparecer na terça-feira. Os enjoos eram constantes e ela quase não conseguia comer. “Eu ficava até quinta-feira sem comer. Na quinta, na maioria das vezes, depois de passar dias de fraqueza, desmaiava e era levada de novo ao hospital”, lembra.   

Nova vida para Francyelly 

Foi somente após enfrentar o câncer que ela começou a acreditar em Deus. “Hoje, vejo que tudo o que aconteceu comigo foi um verdadeiro milagre. Eu evolui muito como pessoa. Aprendi a agradecer mais e dar mais valor para os meus filhos, para o meu corpo, para as pequenas coisas da vida”.

Na época, os médicos disseram que a chance de Francyelly ser mãe novamente era de 1%. Porém, mais uma vez ela foi surpreendida. Hoje, ela é mãe de três filhos. A mais nova, Isabelly Sales Branco, de 3 anos, nasceu após a mãe enfrentar o câncer de mama. Outro fato surpreendente é que ela conseguiu amamentar normalmente. “Tem coisas que nem mesmo os médicos conseguem explicar, só Deus”, finaliza. 


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Diário do Iguaçu encerra campanha do Outubro Rosa com evento e homenagens
As lições que o câncer trouxe para Marina
Reflexão, autoconhecimento e amor próprio
Otimismo ajuda Erci a superar o câncer de mama
Mãe e filha superam o câncer de mama juntas
Os três F’s de Silvana: família, força e fé
Mutirão de cirurgias de reconstrução mamária é lançado em SC
Um novo começo para Greicy
Um motivo para ter fé
Unimed Chapecó realiza workshop de prevenção ao câncer de mama