Zagueiro Joílson: será um jogo extremamente diferente

Atleta fala sobre a volta do Catarinão e a importância de jogar em casa, mesmo sem a presença da torcida

- Publicidade -
 

A uma semana do retorno do Campeonato Catarinense, a expectativa do grupo de atletas da Chapecoense para o confronto contra o Avaí é grande. Na preparação diária para a retomada o técnico Umberto Louzer tem testado diversas opções para definir a equipe que iniciará o embate decisivo. Segundo o zagueiro Joílson, essa dinâmica tem feito com que os atletas façam o seu melhor e reforçou que o técnico Umberto Louzer tem feito mexidas no time em busca da equipe ideal, mas se for escolhido dará o seu máximo em campo.


“O Umberto  deixou bem claro para todos do grupo que não existe titular e nem reserva. Ele está fazendo bastante mexidas na equipe e está buscando uma equipe ideal para começar a partida contra o Avaí. Se ele optar por mim, vou dar o meu máximo como venho fazendo nos treinamentos para que a gente possa conseguir essa classificação que vai ser muito importante para nossa equipe, no decorrer da competição”.


Ano diferente


“Esse ano tem sido diferente, graças a Deus. Ano passado foi um pouco difícil, de algumas lesões, mas esse ano começou totalmente diferente dando meu máximo nos jogos para que eu e a Chapecoense, possamos ganhar com tudo isso”. 


Reinício no Verdão


Para o Joílson, apesar da campanha do Verdão ter ficado abaixo do esperado na primeira fase do estadual, alguns fatores devem ser considerados e avaliados de forma positiva para a sequência da competição. “A gente não esperava classificar a equipe na última rodada do campeonato, na primeira fase. E quanto a defesa, nem tudo foi ruim, tivemos um ponto positivo defensivamente, e a gente quando fala defensivamente, não são só os zagueiros. É uma equipe coletiva, a defesa começa lá no ataque. Eu acredito que foi um êxito toda a equipe marcando ali, ajudou a gente lá atrás a não tomar gols e ser uma das equipes menos vazadas do campeonato”.


Ritmo de jogo


“Ritmo de jogo, na minha opinião se pega jogando. Os treinamentos ajudam, a preparação física, mas aquele ritmo de jogo você vai pegar automaticamente, jogando jogo a jogo. A equipe se preparou muito bem na parte física, está se preparando na parte tática também. Então, esperamos colocar tudo que a gente trabalhou nesse período, no jogo contra o Avaí para que a gente possa sair com resultado positivo”.


Felipe Santana


“É um atleta de alto nível, dispensa comentários e vai chegar aí para brigar também com os outros zagueiros, e quem ganha é a Chapecoense. Quem o Umberto escolher para jogar contra o Avaí, certeza que vai corresponder positivamente”.


Jogo contra o Avaí


“Será um jogo extremamente diferente. Ninguém está acostumado a jogar sem torcida. Para nós jogadores é superimportante o fator casa, já está comprovado em números que quando você joga em casa, com apoio da torcida tem um fator positivo muito grande para a equipe. E aqui na Chape não é diferente. Eu já vim jogar contra a Chape, e quando a torcida embala, é difícil, não tem como segurar. Então, vai ser um jogo diferente, e também pelo fato da pandemia que aconteceu a gente ficou muito tempo parado”.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Louzer faz alerta sobre vantagem da Chapecoense: "Não adianta sentar no resultado"
Chapecoense já está no Sul do Estado para a decisão contra o Criciúma pelo Catarinense
Chape agenda exames de Thiago Ribeiro e Lucas Tocantins e sonha com ex-Corinthians
Chapecoense vence Criciúma e abre vantagem na briga por vaga à final do Catarinense
Atleta Patrícia Maldaner, da Chapecoense, é convocada para a seleção brasileira sub-17
Em confronto entre irmãos, Chapecoense recebe Criciúma pela semifinal do Catarinense
Chapecoense pode chegar à quinta final consecutiva no Campeonato Estadual
Umberto Louzer celebra 100° jogo como treinador com classificação da Chapecoense
Chapecoense empata na capital, elimina Avaí e pega Criciúma na semifinal do Catarinense
Chapecoense defende vantagem em jogo decisivo diante do Avaí na Ressacada